VIDAS

MONICA ROCHA CONTA SUA EXPERIÊNCIA DE UM ANO A VIVER EM PORTUGAL

 Monica Rocha conta sua experiência de um ano a viver em Portugal

VIDAS

07/06/2018 4
" Cada dia me entrego mais a essa nova cultura."

Monica Rocha é a entrevistada do Jornal Vidas Lá Fora que, até o momento, vive menos tempo em Portugal. Ela contou-nos um pouco sobre essa recente experiência, de um ano, e o que motivou a deixar o Brasil para começar uma nova vida distante da terra natal. Monica relata que já conhecia vários países da Europa, mas que Portugal só conhecia através de fotos e cartão postal.  

Seu marido, o repórter fotográfico Renato Velasco, que tem nacionalidade portuguesa, levantou a possibilidade, em 2015, de escolher Lisboa como a nova morada da família. Feliz com a ideia, começaram a se preparar em todos os aspectos para a mudança em junho de 2017. 

Gerontóloga, bailarina e coaching em saúde íntima da mulher, Monica, tem dado sequência ao seu trabalho em terras lusitanas - reunindo grupos de atendimento, ministrando palestras e workshops. “Tenho conseguido construir aqui experiências muito importantes para todo esse trabalho que venho desenvolvendo desde o Brasil”, diz animada.

JVLF: Apesar de ainda ser recente a mudança, como está sendo a adaptação?

A minha adaptação está sendo tranquila e aos poucos. Cada dia me entrego mais a essa nova cultura.

JVLF: Já deu tempo de sentir falta do Brasil?

Sinto falta da família, amigos, alguns hábitos como comer banana da terra que aqui não tem, mas também estou a descobrir novas frutas deliciosas.

JVLF: O que acha da gastronomia portuguesa?

Amo a gastronomia portuguesa, mas não sou chegada à quantidade de doces que faz parte da cultura. O vinho nem se fala, é uma maravilha, os pães uma delícia. As frutas secas são muito variadas e ficam como opção para o lanche ao longo do dia com o carioca de limão muito popular aqui.

JVLF: O que mais chamou a sua atenção na cultura portuguesa? 

A cultura portuguesa tem mais coisas que me agradam do que desagradam. A educação dos portugueses nos estabelecimentos, de forma geral me agrada muito. Tudo é uma questão de como vemos as coisas. Também acho muito interessante as férias escolares e o fato do mês de agosto, o comércio fechar -  quase todos fecham e vão de férias e assim a cidade fica repleta de turistas. Achei impressionante não se colocar nenhum funcionário nos estabelecimentos para funcionamento normal aos clientes, como é no Brasil.

JVLF: Sentiu dificuldade na comunicação?

Algumas vezes fica difícil a comunicação. Apesar de ser a mesma língua parece que eles não entendem o que queremos dizer, não é uma questão de desagrado, mas de aprender essa nova comunicação.

JVLF: Fale sobre o seu trabalho, que é focado nas mulheres. Quais os benefícios desta técnica e como foi recebido em Portugal?

Os benefícios do Pompoarismo são muitos e posso destacar que leva autoconhecimento sobre a consciência do corpo, os cuidados com a saúde íntima, a meditação e seu bem-estar físico e emocional. Além de maiores esclarecimentos sobre a importância de fortalecer a musculatura do períneo, para evitar problemas futuros, de forma que a mulher integre na sua rotina diária esses exercícios para manter a saúde e proteção dos órgãos internos e ter uma vida sexual saudável em todas as fases da vida. 

JVLF: Fale um pouco sobre a importância de suas palestras e workshops.

As palestras e workshops teêm sido muito importantes porque é o espaço para elas conhecerem e entenderem essa técnica milenar; além das portuguesas tenho recebido mulheres da Espanha, Suíça, França que estão agora a morar aqui. Um novo ciclo feminino nasce aqui em Portugal com um movimento muito bonito, estou bastante feliz. Para quem quiser conhecer mais sobre o meu trabalho, pode acessar a página do Facebook:https://www.facebook.com/monicarochaterritorio/ e no Instgran: https://www.instagram.com/menopausapompoarismo/

JVLF: Diante da sua experiência e de seu marido, qual o balanço geral da mudança? É positivo?

Super positivo, até porque, nos planejamos para isso, independente do Brasil estar bem ou mal, era nosso projeto de vida vir morar aqui com qualidade de vida e tranquilidade. Hoje vivemos muito próximos da natureza, levamos uma vida mais calma, andamos na rua em paz e com tantas belezas naturais que nos acompanham. Sinto as mudanças das estações de forma mais próxima. As praias são lindas, enfim, muita coisa bonita estamos descobrindo.

JVLF: O que diria para os brasileiros que estão chegando e para os que estão há pouco tempo em Portugal?

Em primeiro lugar que se programem, se organizem e se estruturem financeiramente antes de virem. Não é fácil de arrumar emprego e trabalho, é uma construção com muita paciência e dedicação. A moradia está cada vez mais cara, os preços subiram muito. O salário é baixo e quem não tem uma reserva ou renda no Brasil, é difícil se sustentar logo que chega.

Trouxe meu trabalho para cá que onde já desenvolvia durante muitos anos no Brasil, mas é uma semente plantada a cada dia. Estou super feliz de morar aqui, não tenho intenção de retornar, mas foi um projeto de vida construído e planejado em todos os aspectos, tanto financeiro como emocional. Não é fácil ficar longe daqueles que amamos e largar toda uma estrutura pronta de trabalho e tudo o mais.

 

 

 

Foto: Renato Velasco



08/05/2018 4

Herminda Pereira Lima, gerente executiva da Santa Claus Audiovisuais, conta-nos como foi a mudança com a família para Portugal, há 24 anos.

20/11/2018 0

Estudante brasileira lança campanha na internet para fazer intercâmbio de medicina em Harvard.


SOBRE

Redação
Redação

Redação Jornal Vidas Lá Fora


1 COMENTÁRIO

  • Valeria Gomes

    07/06/2018

    Interessante a rápida adaptação dela, eu demorei uns dois anos para realmente gostar e me sentir em casa. Vou entrar no Facebook da Monica para saber onde são as palestras. Boa sorte na nova terra.


DEIXE SEU COMENTÁRIO